Quarenta

No terceiro dia, o blog não ressuscitou. Reapareceu na manhã do 40º aniversário de seu autor, mas ficou calado, acabrunhado, sorumbático, embezerrado e macambúzio. Fortemente adjetivado em silêncio. Mais três dias e, agora sim, ressuscita. Numa sexta, 13, lá sem muita paixão.

Há quarenta anos (e três dias) convivo comigo mesmo. Acordo, levanto, escovo os dentes, como, bebo, vou ao banheiro, me banho, me vejo nu, satisfaço as necessidades fisiológicas, conheço todas as minhas intimidades, leio, escrevo e durmo. Nunca passei um dia longe de mim. Sou extremamente tolerante comigo mesmo, nunca pensei em me separar, me amo cada vez mais e sei que essa união é para sempre. Nem a morte há de me separar de mim. Eu e eu voltaremos juntos ao pó e muito me aflige dizer isso, pois a rinite alérgica é outra que nunca me abandona.

Este para sempre não acaba. Pelo menos, não até chegar ao fim. Manhãs, tardes e noites, todas sempre juntinhos, sem enjoar. Não tenho TPM e imagino que isso facilite um pouco. Aguentei muita coisa calado, escrevi furtivamente sobre algumas angústias, mas nunca fui dormir brigado comigo. Na hora de deitar, tudo está em paz e é nessa hora em que sou mais cachorro, tentando ajeitar a coluna para encontrar a melhor posição para dormir. Tenho outra qualidade canina: sou fiel. A mim mesmo. E isso é coisa difícil de explicar a qualquer um que não o seja.

Minha vida em poucas palavras: nasci, mamei, cresci, escrevo, continuo mamando. Não sei fazer muita coisa além destas duas. Acredito que, assim como a rinite, tais atividades me acompanharão até o fim dos meus dias. Continuo em crescimento. Só a barriga. Mas quem respeita, sem desconfiança, um homem de quarenta que não tenha uma? Respeitem minhas tatuagens, meus cabelos brancos e meu tanquinho de chope!

Mesmo incrédulo, obedeci às ordens divinas. Cresci e multipliquei. Vi que isso era bom e fiquei ensaiando repetidas vezes. Ainda o faço, religiosamente, apesar de já ter cumprido minha parte para a preservação da espécie. Se, até aqui, não fui um ser humano mais interessante, é somente porque parei de ler ali no primeiro capítulo do Gênesis. Se há algo melhor que isso a fazer, não me interessa saber. Não quero comer do fruto do conhecimento.

Ainda me faltam os livros. Também tenho ensaiado intensamente para eles. Diferente dos espermatozoides, os neurônios vão ganhando qualidade com o tempo. Acreditem: terá sido melhor assim. Nunca gostei da ideia de publicar precocemente e morrer jovem para garantir a genialidade. Ou não perceberam que os jovens gênios que envelhecem acabam se mostrando gente da mais comum e mediana? Fui enrijecendo a carapaça e me preparando para caminhar uma longa distância. Nesse caminho, já vi muita lebre parando esbaforida, enfartando, exagerando na dose.

Acordei no 14.608º dia sem saber chamar esse numeral pelo nome e convicto de viver uma riqueza de anos. Falando menos, escrevendo mais. Apaixonando-me menos, amando mais. Mourejando na sagrada missão e mais atento ao aceno vindo da outra margem. Sem medo da travessia.

Também me falta plantar a tal árvore. Veja bem, Mãe Natureza, não matei qualquer animal nos últimos 19 anos. Tenho algum crédito. Se não plantei, foi por receio de criar raízes. Mas devo fazer isto antes do texto dos cinquenta.

Chi ben comincia è a metà dell’opera. Andiamo!

Esta entrada foi publicada em Aniversário, Crônica. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas a Quarenta

  1. Ana Laura disse:

    Eu te amo, cara.

  2. ivany soares disse:

    muito bom quando fala dos outros, melhor ainda quando fala de voce.
    seria uma nudez criativa e interessante.
    mesmo ficando repetitiva, parabens.

    ivany

    •► Obrigado, Ivany! Evito falar a meu respeito. Considero chatíssimo. O mundo já tem mais cabotinos que gente. Mas que bom que gostou. 🙂

  3. Edmar Gurjão disse:

    Sandro,

    parabéns, tanto pelo aniversário quanto pelo texto, como sempre muito bem feito. Se for com a mesma qualidade dos primeiros 40, desejo-lhe mais 40 anos de vida (no mínimo),

    Edmar

    •► Ô, rapá! Assim, acabo acreditando e desistindo da ideia de ser médico ou advogado. 😛

  4. Carolyna Kyze disse:

    Você tá melhor a cada dia. Aff, como você é talentoso com as palavras… Visitar seu blog é sempre uma experiência fantastica.

    Beijos,
    Carol 🙂

  5. vicente vitoriano disse:

    bem vindos de volta com festa dos quarenta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *