Eu, Jackie

Eu: Hoje, 47 anos da morte de Kennedy…
Minha mãe: Nossa! É mesmo. Lembro bem… Se você fosse menina, seu nome seria Jacqueline, em homenagem à mulher dele.

A partir desta revelação, comecei a imaginar minha vida em universos paralelos.

* * * * *

Universo 2 JACKIE BABY

Médico: Parabéns! É uma menina.
Mãe: O nome vai ser Jacqueline.
Pai: Tudo bem.
Mãe: Que tal Jacqueline Rayssa?
Pai (no cartório): O nome é Jacqueline Fortunato Alves. Registra logo, antes que eu mude para Sandra.

* * * * *

Universo 3 – JACKIE GIRL

Médico: Parabéns! É um menino.
Mãe: O nome vai ser Jacqueline.
Pai: O quê?! Tá doida? É um menino!
Mãe: Ah… O nome vai ser Sandro, em homenagem ao jogador italiano.
Pai: Isso. E esse garoto vai adorar futebol.

(Três anos depois, o pai é transferido pelo trabalho, alguns meses se passam até que ele finalmente retorna à casa para buscar a família)

Pai (surpreso): Quem é essa menina?!
Mãe: Nossa filha, ué! Esqueceu?
Pai: Que filha?! Nós não temos filha. Temos filho. Homem. Macho.
Mãe: Não. É uma menina. A gente se enganou. Depois eu vi direito. É menina mesmo.
Sandro (agora Jacqueline, com um vestidinho florido): Pai, você trouxe uma boneca de presente pra mim?

* * * * *

Universo 4 – JACKIE DOLL

Sandro, 35 anos, três filhos, cansado de guerra, já desistiu de entender as mulheres.

Sandro: E se eu fosse uma delas? Talvez conseguisse entender…

Ele lembra os tempos em que usava cabelos quase na cintura, de como suas amigas o invejavam por isso, confere as pernas grossas, a bunda redonda e saliente…

Sandro: É isso! Vou virar uma quase mulher.

Corte. Sandro, agora uma linda morena de boca carnuda, fazendo michê em frente ao Copacabana Palace.

Cliente: E aí, gata, vamos fazer um programa?
Ex-Sandro: Bora…
Cliente (já no motel): Qual é mesmo seu nome?
Ex-Sandro: Jacqueline Alessandra (travesti adora nome composto), mas pode me chamar de Jackie Tequila.
Cliente: Ah, tá…
Jackie: Lindinho, não sei se você reparou, mas eu…
Cliente: Tudo bem. É melhor não conversarmos muito. Você sabe… homem casado quando procura outra é porque está querendo algo diferente, alguma coisa que a esposa não dá…
Jackie: Claro. Já estou acostumada com isso. Mas eu preciso lhe dizer que eu sou…
Cliente: Fica fria. A gente vai se divertir muito.

Jackie tira a roupa. O cliente faz cara de espanto.

Cliente: Mas… Mas… Eu pensei…
Jackie: Olha, gato, eu estava tentando avisar que sou travesti.
Cliente: Tá. Isso eu já sabia, mas é que eu sempre pensei que todo travesti tivesse um pau enorme e isso aí…

(fim de minhas viagens por universos paralelos)

Esta entrada foi publicada em Ficção. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Eu, Jackie

  1. kkkkkkkkk
    Sem comentários!
    Esqueceu a faceta Jackie lésbica depois de ter encontrado uma baita morena, de lábios carnudos, olhos negros como a noite sem luar, cabelos longos etc e tal, inteligente, meiga… sua gêmea,mas para a sua decepção ela não gosta de mulher… nem sendo uma traveca!

    A Jackie lésbica é do universo real. Sou lésbica assumida desde sempre. E adoro loiras! E ruivas. Branquelas em geral. 😛

  2. wilson disse:

    Faltou somente Jacksand no universo paralelo da moda. Maneca magérrima, tipo esqueleto de aula de anatomia, vestindo um bikini tipo lencinho de limpar óculos.
    O Costureiro bichésima olha para ele e diz:
    – Tem muito volume nesse bikini! Tira esse Modess,já!
    Jacksand responde, ofendida e afetadíssima:
    – Né Modeissss não! É o meu grelinho que é grande…
    O costureiro interrompe a fala dela e diz:
    – Então, manda cortar. Maneca sem racha não pode. Ou corta, ou ruuuaaaa!
    Fim do Universo da Moda.
    Ahahahahahahahaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!
    Final Feliz:
    Jacksand cai na vida fazendo de tudo, mas tudo no tipo tudo por dinheiro: Menàge a deux, trois, catre, cinc; suruba normal e suruba metafísica; e, para ganhar um extra, servia de consolo de viúvos e viúvas.
    Hoje vive uma vida boa de grande empresária (empresária do prazer, claro!).
    Sua rede “Comidinha Rápida” atende desde os lixeiros até grandes industriais. Atende em becos, baixos de pontes ou viadutos, escadarias de prédios, etc. Dá-se bem com todo o mundo. Serve “Comidinha Rápida” até para policiais, em camburões, delegacias, etc. Só não atende políticos. Pois eles são mau pagadores e, geralmente roubam o michet, ops, a féria da meninas…
    Dizem por ai, que Jacksand é a atual Dona do Edifício Martinelli…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *