A última Copa de vovó Mafalda

Minha avó paterna, Mafalda Fortunato, era uma filha de italianos, baixinha e mandona. Quando eu era ainda muito pequeno para lembrar, ela foi diagnosticada com câncer e teve parte do intestino retirado. Passou a usar uma bolsa de colostomia que aparava o resultado de sua digestão. Lembro dos cuidados para a troca de saquinhos e de minha avó sempre rindo com seus incisivos superiores separados, uma das heranças que recebi.

Segundo sempre ouvi, os médicos lhe deram cinco anos de vida após a cirurgia. E foi justamente o que ela viveu. Eu não fazia a mínima idéia da gravidade de sua doença. Nem poderia. Tinha apenas seis anos quando ela morreu. Era 1978 e estávamos em plena Copa. Minha avó era uma torcedora fanática, do tipo que passa mal durante as partidas. Em dias de jogos do Brasil, as refeições tinham que ser servidas muito antes. A idéia era evitar que passasse mal de estômago cheio.

Lembro que ela estava internada e, em casa, o restante da família assistia tevê na sala. Mais cedo, eu havia enfeitado o quarto dela, para lhe dar alguma alegria quando retornasse. Cornetas, bandeira do Brasil, bola… Coloquei a bola no travesseiro, algumas almofadas pela cama (simulando um corpo) e cobri com um edredom. As cornetas e a bandeira ficaram na janela e sobre a penteadeira. Lá pelas tantas – todos na sala, assistindo a um jogo –, escutamos um barulho no quarto. Depois de uma rápida olhada, percebemos que uma pequena imagem de santo havia caído e provocado o ruído. Voltamos para a sala e, minutos depois, o telefone tocava. Era do hospital. Minha avó havia morrido.

Comentavam que a queda da imagem havia sido um aviso. Minha avó era dessas católicas apegadas aos santos, pagadora de promessas. Lembro de várias idas a Porto das Caixas (conhecido local de peregrinação católica no município de Itaboraí, a cerca de 50 quilômetros do Rio) com esse intuito. Ela chegou a sair em uma pequena matéria no jornal O Dia (reprodução ao alto) em abril de 1977. Segundo contaram, sua morte foi sem sofrimentos. Ela estava conversando, de repente respirou profundamente e morreu. Era dia de São Pedro. Foi poupada das fortes emoções pela disputa do terceiro lugar entre Brasil e Itália (o Brasil ganhou) e de ver a Argentina, em casa, conquistar seu primeiro título.

Esta entrada foi publicada em Memória. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

6 respostas a A última Copa de vovó Mafalda

  1. Sandro,

    Gosto muito da sua escrita. Você tem o dom.
    Mesmo quando escreve algo que seria significativo para um grupo restrito e pessoas, suas palavras ganham uma moldura especial e ficamos também envolvidos.
    Um pouco da sua avó ficou comigo.Adorei o texto!
    Que lá de onde a vovó Mafalda se encontra ela mexa os “pauzinhos” para que o neto publique logo seus livros. Material não falta!
    E o Brasil,hein? será que segue em frente?
    beijos,

    Chris

  2. Ana disse:

    Sandro seu texto tá lindo, ainda mais porque me fez lembrar da minha avó.
    Mas o melhor de tudo é aquela foto de você de sapatinho branco!!! 😉

  3. Bem lembrado Ana! O sapatinho branco,o sorriso… Fofis!

  4. wilson natal disse:

    Eita! Isso não é mais telepatia. É simbiose!(risos)
    Ouvindo o estouro dos fogos, a gritaria a cada gol do jogo Brasil/Chile pensei no quanto a Copa do Mundo ficou desinteressante para mim. Um pouco porque agora temos jogadores e, antes, tínhamos guerreiros, heróis. E mais porque meu avô se foi e não está mais aqui para enlouquecer nas vitórias do Brasil. Vitória que parecia menos saborosa quando o confronto era com a Itália (Afinal, sangue não é água…). E era apaixonante ver o meu “nonno” padecendo daquela emoção dividida, gritando Brasil! Brasil!
    “Bello testo, bella ricordazione di sua nonna!”
    E certamente, onde quer que esteja, a Vovó Mafalda – que é sua Avó – não do Donald – está torcendo loucamente pelo Brasil.
    Abração,
    Wilson

  5. Meire disse:

    Não é a toa que tenho orgulho de ser sua amiga. Mas tu tem uma memória que pelamor, viu.

  6. Preta disse:

    Rapaz, criei uma comunidade para fãs de Janis Joplin utilizando um texto [MUITO BOM] seu publicado em janeiro de 2008.

    A comunidade é esta:
    http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=93705033

    Se um dia rolar citar uma divulgação para os fãs, fico muito agradecida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *