Diário de São Pedro (VII) – Dois fins de tarde

pitoria_menino_poente

Na Pitória

Já não é tão silenciosa a Pitória. Vai longe a calma que encontrei em julho do ano passado. Agora não são apenas os cães aprisionados nas casas ladrando feroz e invejosamente contra os vira-latas livres que brincam na areia. São os homens com seus aparelhos de vomitar barulho. Dicró, ao longe, até ajuda a compor a cena, mas logo surge um axé ou tecnobrega rival em algum bar ou carro por perto. Roncos dos motores de pequenas embarcações aumentam a balbúrdia. E as crianças estão grosseiras como nunca. Palavrões dos quais talvez nem saibam o significado são usados como vírgula e ponto.

Na Pitória, só os cães vadios são felizes. Eu sou feliz na Pitória.

* * * * * * *

praiadosol_poente_cinza

Na Praia do Sol

Ok, Baby Jesus, Sandro vai pecar. Pecado pequeno e costumeiro. Nada que vá me levar ao inferno. A caminhada até a Praia do Sol mereceu uma cerveja. A atração principal está tímida, escondida pelas nuvens, não deve se apresentar hoje. Ainda é cedo e pode ser que, até a hora marcada, mude de idéia. Até lá, vou pecando sem pressa.

Foi difícil arranjar um local com um mínimo de barulho. Escolhi um quiosque onde se ouve Clara Nunes. Usei o velho truque de chegar bem ao lado do aparelho de som para fazer o pedido. Como não me escutava, a dona do lugar foi obrigada a baixar o volume. Peguei a cerveja, larguei um sorriso no balcão e me afastei tanto quanto possível. É Clara e ao longe.

O sol brinca com tons de rosa. Começa a revelar os contornos das nuvens na tela cinza. Na água, só as crianças. A inocência deve protegê-las da poluição. Queria ter esse poder. As pessoas, nas mesas, começam a ir embora. Quem chega, para não perder a viagem, fotografa com o céu monocromático ao fundo.

Pôr-do-sol, na Praia do Sol, hoje, não tem.

* * * * * * *

Mais fotos desta temporada em São Pedro da Aldeia.

Esta entrada foi publicada em São Pedro da Aldeia, Viagem. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Diário de São Pedro (VII) – Dois fins de tarde

  1. wilson natal disse:

    Um céu desse. Uma luz tão maravilhosa, compensa qualquer coisa. Trata de perder-te por esses horizontes e esquecer do burburinho. Nuncenário desses até a terra, parece, vai ficando longe, perdendo-se entre, vermelhos, amarelos, cerúleos e magenta.

    Abração,

    Wilson-son!

  2. Mayra disse:

    baby, faz tanto tempo que não nos falamos que estou com todos os teus contatos desatualizados. me passa teu-email-que-funciona? qual teu msn? por onde vc anda, afinal?? rsrs.

    dê notícias. saudades de trocar figurinhas com você.

    bjs.

  3. Mayra disse:

    ah, manda teus contatos pro meu email, pliz? bjs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *