Um corpo, duas almas

No início de março, estava mexendo na parte mais antiga e ainda existente de minha hemeroteca quando me deparei com uma edição especial de Fatos e Fotos, de abril de 1996, sobre as gêmeas siamesas Abigail e Brittany Hensel.  A revista-pôster com as meninas vinha no embalo de duas edições de Manchete (reproduzindo a americana Life) e de um programa na TV Manchete, que veiculou, no Brasil, a entrevista de Oprah Winfrey com elas e seus pais.

Abby e Britty são um tipo raro de gêmeos siameses. Externamente, o que se vê é um corpo com duas cabeças. Internamente, da cintura para cima há órgãos duplicados (dois rins esquerdo, dois estômagos, duas vesículas, dois corações, duas colunas vertebrais que se fundem na base e 3 ou 4 pulmões). O sistema circulatório e os órgãos abaixo do abdome são únicos.

Na matéria, uma frase em destaque me deixou intrigado: Ninguém sabe ao certo o que vai acontecer quando elas crescerem. Pois bem, elas cresceram, completaram 20 anos neste março de 2010 e dizem até que uma delas está noiva.

Minha intenção, ao lembrar a história dessas meninas, é fazer com que você reflita sobre pelo menos uma das muitas lições que Abby e Britty podem nos dar. Quanto tempo durou aquele seu amor eterno com quem você queria ficar por toda a vida? Quanto tempo teria durado se vocês nunca tivessem se desgrudado por um único instante? Qual seria a intensidade de seu amor por alguém que você fosse obrigado a conviver por todos os minutos de toda sua vida? Como seria não ter segredos? Como seria não ter um único momento de solidão? Como seria saber que quando aquela pessoa morresse, você também morreria ou quando você morresse, também iria matá-la?

Quando soube da existência das meninas, eu tinha 24 anos. Desde então passei a imaginar que não poderia existir Amor maior e mais bem provado que o delas. Não sei como eu agiria se fosse obrigado a passar por uma provação dessas, mas se não fosse por imposição, se fosse por vontade própria, adoraria me entregar – de corpo e alma – a quem tivesse o mesmo desejo. Ficar juntinho até o final dos dias. Resolver qualquer diferença imediatamente. Não poder ir um para cada lado quando discordassem de algo. Aprender a viver em perfeita harmonia, em perfeito Amor, aceitando e aprendendo com o outro. Sempre colaborando, dividindo as dificuldades para torná-las mais leves, somando forças para alcançar objetivos.

Dois corações batendo por uma vida em comum. Isso é Amor.

Esta entrada foi publicada em Livre pensar, Memória, Periódicos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Um corpo, duas almas

  1. Meire disse:

    Belo texto, buddy.

  2. carlinha disse:

    gostei muito do seu texto, e da forma que vc se expressou através da história de vida dessas duas;
    acredito que elas tem vida muito mais digna de que muitas pessoas tidas como normais…

  3. Alexander disse:

    Quando soube da existência das meninas, eu tinha 24 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *