Tremores de terra no Nordeste: Eu fui!

poente_pocobranco

O primeiro tremor de terra, a gente nunca esquece. As pessoas pularam de suas camas, os lustres balançavam, os copos e talheres se batiam, livros caíam das estantes, todo mundo correndo para a rua, como se lá não estivesse tremendo. Eu estava em Natal, Rio Grande do Norte, e senti. Isso não aconteceu no último sábado, 9 de janeiro, nem na terça, 11. Isso foi em 1986.

igreja_taipu

O epicentro foi em João Câmara, município que fica a uns 80 quilômetros da capital. Foram meses de atividade sísmica. Começou em agosto e continuou no mês seguinte. Abalos na casa dos 4 pontos na Escala Richter. Esse em que todo mundo saiu correndo de casa em Natal aconteceu em uma madrugada de novembro, cravou 5.1 e botou abaixo centenas de casas em João Câmara.

Estes nos últimos dias foram de 2.7 e 3.8 (alguns sites noticiaram como 4.3). O de sábado foi sentido em alguns bairros de Natal. O de terça foi sentido em toda a cidade e também em Campina Grande e João Pessoa, na Paraíba, e até em Recife, Pernambuco. É. Foi uma sacudida legal, mas ainda longe daquela em novembro de 1986. Para quem estava em Natal e perto do chão, a sensação era a de um caminhão pesado passando bem perto. Quem estava em prédios, certamente sentiu um balanço maior.

O abalo de terça causou comoção no Twitter. Foi imediato. Todo mundo dizendo que sentiu e informando onde estava. Quem tem menos de 30 anos se apavorou; quem tem mais, se divertiu. Para estes – eu incluso – a prévia de 2012 aconteceu em 1986.

pbranco_sinhozinhoEnquanto alguns pensavam em correr para as montanhas (quais?!), eu, Canindé Soares, Walmir e Jailson Fernandes corríamos para Taipu, município a 60 quilômetros de Natal, onde ocorreu o epicentro. Fotografar abalo? É só fazer uma foto tremida, não? Não. O negócio é conferir os estragos. Dessa vez não caiu nada. Não ainda. Umas rachaduras aqui ou acolá, umas telhas que se afastaram, tudo em construções bem sujeitas a isso. Nos sites e jornais, a apelação de sempre: gente apontando uma rachadura. Até eu fiz uma dessas. E nem precisava ter saído de casa para isso.

Mas meu objetivo era outro. Queria mesmo documentar o que ainda está de pé. Igrejas e casas centenárias que, numa sacudidela mais forte, podem vir abaixo. Depois da simpática e pacata Taipu, estivemos na vizinha Poço Branco. Tudo normal. Valeu pelo pôr-do-sol à beira do açude.

pbranco_acudeEstive em enchentes no Rio de Janeiro, no apagão em São Paulo e nos tremores em Natal. Posso dizer uma coisa: as pessoas das cidades grandes se desesperam com mais facilidade. Em Taipu e Poço Branco, a impressão era de que nada havia acontecido. E lá foi forte mesmo! Em Recife, dois estados e centenas de quilômetros depois, alguns prédios foram evacuados. Pense no medo!

Vendo as pessoas a pé ou de bicicleta pelas ruas, um sinhozinho sentado do lado de fora de sua casa ou os dois pescadores no fim de tarde no açude, tive a certeza de que se o mundo acabar, vai acabar bem depois por lá. Sem pressa, sem medo, sem estresse algum, coisas que os moradores daquelas pequenas cidades jamais conheceram nem desejam conhecer. E os tremores? São coisas da Natureza. Eles estão acostumados e vivem muito bem com eles e com Ela.

Mais fotos e em tamanho maior em
twitpic.com/photos/sandrofortunato

Esta entrada foi publicada em Comportamento, Livre pensar, Memória, Viagem. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas a Tremores de terra no Nordeste: Eu fui!

  1. Buca Dantas disse:

    rapaz…o de 86′ acho que tava até no calendário Inca! gostei do que falou que os de mais de 30 até se divertiram…rarara…comigo foi isso. mas a galera da cidade grande é danada pra evacuar nessas horas.

  2. Beleza de texto, beleza de fotos… vc não é Lula mas é “O Cara”, mas que o cara. Fico até com vergonha das fotos que fiz kkk… Valeu, não é a toa que quando me indica as pautas eu dou show.

  3. Wilson Natal disse:

    Ah!… Os orgasmos da terra!
    Mais um terremoto que me decepciona! Minha amiga Aurelia passou batida e ilesa pelos terremotos de Como (norte da Itália) e pelo de Assis;Meu amigo Joaquim, passa batido pelo terremoto de São Francisco; você vive um terremoto e além de sair ileso, diverte-se com o ocorrido! E eu? Como fico? Fico lesado, insatisfeito. Com muita raiva!… É que eu NUCA TIVE UM AMIGO QUE MORREU EM UM TERREMOTO, PORRA!… Seu desmancha prazeres. EGOÍSTA!!!
    KKKKKKKKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

    E buca tem razão! Nas cidades grandes, a galera “EVACUA” nos dois sentidos.

    Em Sampa, quem trabalha nos prédios do Centro Histórico, sente dois a três tremores por semana. É o assentamento do solo. Aqui só é ruim quando tem terremoto no Chile, ou na Bacia de Santos.
    Abração,

  4. RSRSRS
    Bom, eu posso dizer que o tremor de 1986, eu fui!Morava em Natal na época. Como dizem os adolescentes de hoje “Mó adrenalina” Tive a experiência de viver o tremor até embaixo d’agua. Teve uma tarde em que fazia natação e houve o tal,senti um troço estranho embaixo d’agua.Senti o tremor outras vezes, sozinha, em grupo, dormindo acordada. Tremor de terra viu gente? abalo sísmico.Então, quem viveu os anos oitenta em Natal, esse de agora é só uma pequena demonstração.
    Agora, cá pra nós, a natureza tem se rebelado,hein? moro no sertão de SP e as enchentes aqui estão “bombando”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *