Dias de Jó

Qual é a minha força, para que eu espere?
Ou qual é o meu fim, para que tenha ainda paciência?

(Jó 6:11)

fortunaPreferi a versão acima à trágica Quais são as minhas forças para que sobreleve tantos males? Ou qual é o meu fim para prolongar o desejo de viver?, traduzida do original pelos Missionários Capuchinhos de Lisboa e que costumo tomar como referência. A intenção foi remeter à palavra paciência, que acompanha o nome de Jó na conhecida expressão e reduzir a dimensões mais reais estes dias pelos quais passo.

Que nunca venham a ser como os do temente Jó. Não chego a me sentir em meio a um desafio entre Deus e o diabo. Talvez só no meio de uma piada de mau gosto de ambos e que parece sempre se repetir no mesmo palco. Insistem que a picuinha aconteça na terra do sol.

Fazer esperar é um meio seguro de irritar as pessoas e por maus pensamentos em sua cabeça, garantia Nietzsche. O filósofo também lembra que saber esperar “é algo tão difícil, que os maiores escritores não desdenharam fazer disso um tema de suas criações”. Temos dificuldade em não resolver logo nossas paixões. Tudo deve ser para agora. Do contrário, parece ser um martírio viver.

Saber esperar é a lição. Ter uma paciência heróica e infinita como a de Jó. Domar os desejos, não aceitar as imposições da pressa, não dar ouvidos a quem exige uma urgência que não vai levar a lugar algum, manter a presença de espírito.

Só assim, sustentando a serenidade em momentos de infortúnio, se conquista o precioso tempo que faz enxergar tudo de forma mais profunda.

Esta entrada foi publicada em Livre pensar. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Dias de Jó

  1. Refletiu a minha alma hoje…
    baideuei, o Sempre Algo está diferente… Estive fora uns dias e fiquei surpresa… Mais “light”, no entato sempre muito inspirado!
    Beijo, saudades

    Oi, Renata! A explicação para a mudança está nos dois textos anteriores: Gambiarra e Agarrando o touro. Nos próximos dias, chegaremos a um meio termo. Fique de olho.

  2. chico guedes disse:

    Entre o touro e a provação jobiana, bom momento pra degustar teu belo texto pela primeira vez. abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *