Ainda a chuva

tchuva_tam.jpg

Plínia quer enterrar sua mãe. O grito interrompe os desejos alheios e provoca risos nervosos: “Eu quero enterrar minha mãe!”. Da última fila, tento buscar um ajeitar-se na cadeira que talvez signifique “eu também”.

Eu nunca quis enterrar alguém. Acho mesmo um costume estranho. Enterramos para, três anos depois, desenterrarmos. Terra pouca, raso minifúndio, é preciso dar espaço ao próximo. Quer aproveitar e responder a pergunta outra vez? Quem você quer enterrar?

Ninguém. Nada. Estava ali para rever, cinco meses depois, Plínia e Banto, Paula e Henrique. Da primeira dupla, os medos e dúvidas existenciais. Da segunda, o reconhecimento no palco centenário do Alberto Maranhão. Casa lotada, público dispersivo fisgado pelo talento dos dois atores. Logo só há os personagens e seus “ses”.

É outro costume estranho. Imaginar como teria sido. Passado imaginário, redentor. Oração atrasada, pedido desesperado de remissão por erros e culpas, impossível de ser realizado.

Passado imperfeito enterrando presente e futuro. A covardia de não haver tentado corroendo convicções, desfazendo certezas que pareciam imbatíveis. Você corre a olhar no caixão e descobre que no lugar de quimeras sepultou sonhos. Resta aceitar o augusto conselho e acostumar-se à lama.

Vade in pace.

Texto relacionado: Quando a chuva passar

Logo abaixo em  COMMENTS
Esta entrada foi publicada em Livre pensar, Teatro. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *