Se ficou esperando

esperando.jpg

Ainda há quem leia na praça. Há quem leia enquanto espera. Quem leia simplesmente. E espere. Final de manhã, chove-não-chove, pracinha no centro da cidade, tempos apressados e a menina com seu livro. Alheia ao vai-e-vem, a quem olha para ela, a quem se admira com alguém lendo, ao barulho dos coletivos. Olhos correm pelas linhas, apertam para reler e entender, buscam um ponto de fuga, conferem algo fora da página. Chegou não. Continua a leitura. Roidinha na unha. Foto ampliada, suspiro de crônica abatido pelo título revelado: Enquanto o amor não vem. Mas resta uma esperança. Para quem escreve; não para quem lê. No instante seguinte, a menina levanta e caminha solitária. Se ficou esperando o amor, cansou. Talvez chegue no próximo livro.

Logo abaixo em  COMMENTS
Esta entrada foi publicada em Crônica, Fotografia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

7 respostas a Se ficou esperando

  1. Thiago disse:

    Acho que ela não ficou esperando o amor — ela o levou consigo, entre capas.

  2. que lindo: o banco de praça, a moça, o livro e o seu olhar…
    senti uma gostosa sintonia entre a cena que você presenciou, a representação dela na foto e seus escritos, caro. mais uma vez, bravo! seu blog faz valer à pena. um cheiro, S.

  3. Jonatas Oliveira disse:

    Gostei. Hoje é quase que impossível ver alguém lendo assim como essa menina.

    Quanto a espera, @aninhdaguiar que sabe como é difícil esperar por uma pessoa horas sem ter um livro. Mas agora ela já aprendeu, sempre anda com um dentro da bolsa.

  4. ianniu disse:

    eu faço isso sempre. várias vezes. inclusive ja fiz nessa praça mesmo!
    Eu adoro essa praça no mês de julho. e em dezembro também é uma pequena delícia. 🙂

  5. Wilson Natal disse:

    Não existe nada mais gostoso do que perder-se nas páginas de um libro!
    abs,

    PS:- É tu, refletindo no vidro da vitrine? 🙂

  6. Claudinha disse:

    Agora quero ser a menina que lê no banco da praça…(unsure)

  7. Leio em todos os lugares,mas nunca mais li em uma praça… como a leitura nos leva para outros mundos as praças que conheço não oferecem mais a tranquilidade necessária para esse desligar-se

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *