Mafalda no mundo leal? Eu também quelo!

Eu admiro os argentinos. Na verdade, admiro qualquer povo que saiba valorizar seus artistas e fortalecer a própria cultura. Mafalda, a personagem mundialmente famosa criada por Quino, vai ganhar uma escultura. A obra será colocada em frente a um edifício onde o artista morou.

Para quem não sabe, as tiras de Mafalda e seus amigos foram publicadas entre os anos de 1964 e 1973. Depois, os personagens só apareceriam em ocasiões especiais, como na campanha mundial da Declaração dos Direitos das Crianças da Unicef. A personagem tem 45 anos; seu criador, 76.

A homenagem foi anunciada pelo governo da cidade de Buenos Aires. Ou seja: é algo com chancela oficial! Fiquei pensando se não poderíamos fazer o mesmo por aqui. Poderíamos, por exemplo, colocar os Fradinhos de Henfil no Palácio do Congresso. O magro sentado sem fazer nada e o baixinho fazendo um “Top! Top!” representando os parlamentares que estão se lixando para a opinião pública. Na Praça dos Três Poderes, no lugar do cabeção do JK, poderíamos colocar o Dr. Macarra, de Carlos Estevão, lembrando que os doutores do Supremo Tribunal Federal, logo ao lado, estão sempre cheios de banca e parecem viver em um mundo no qual só há Justiça para os ricos. Mas a consagração total seria colocar uma enorme estátua do Amigo da Onça, criação de Péricles, no alto do Corcovado, simbolizando um tipo comum que quer levar vantagem em tudo e está sempre pronto para passar qualquer um para trás.

Em um país no qual quase nunca se sabe quem são as pessoas homenageadas com bustos e estátuas, talvez seja mesmo interessante utilizar personagens de desenho, muito mais representativos e populares que este ou aquele dotô.

Quando evoluirmos o suficiente, poderíamos até fazer uma escultura da Mônica, de Maurício de Sousa, um ano mais velha que Mafalda, ou do Cebolinha, que em 2010 completará 50 anos. Fica a ideia.

(No desenho de Quino, abrindo o post, o texto original é ¡Vamos, hombre, no sea tímido! Solo quiero que mis papás y los lectores conozcan a quien recibe el depósito que marca la Ley 11.723. O desenho aparece no segundo volume de Mafalda. A Lei 11.723, na Argentina, se refere aos direitos de propriedade intelectual.)

Logo abaixo em  COMMENTS
Esta entrada foi publicada em Atualidade, Desenho. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Mafalda no mundo leal? Eu também quelo!

  1. Carolline disse:

    Viva a Mafaldita!!!

  2. Wilson Natal disse:

    Você sabe que eu ADORO a Mafalda!Tanto que vc herdou os meus 10 livrinhos de tiras, em espanhol. 🙂 E é bom demais saber que la niña vai virar estátua.
    Aqui, deveria ter uma estátua MONUMENTAL do amigo da onça em frente à assembléia legislativa de cada Estado.
    Em Brasília os Fradins, e Níquel Náusea. E também figuras do folclore, como a Mula-sem-cabeça, em bronze, sobre a mesa do presidente; um boitatá no gabinete da casa civíl e claro, um Sacizão no Senado… Oops! Vou devagar para não divagar…:P. Ia esquecendo: Também um quadro a óleo da Cuca, na sala de visitas da residência presidencial…KKKKKKKKKkkkkkkkkkk! ( A cara da dona…)
    Mas o que eu queria mesmo era a Mônica com seu adorável coelhinho, no lugar da estátua da Justiça nessas salas onde acontecem os conlúios das CPIs…
    Abraços de tamanduá.
    Wilson.

  3. Tato disse:

    Estive em BsAs há uns dois anos atrás e entrei num sebo procurando os originais de Mafalda, e a moça que me atendeu abriu o maior e mais sincero sorriso do mundo, ao ver que um brasileño se interessava pela cultura deles.

    Sandro responde: Como Wilson disse no comentário anterior, eu herdei seus 10 álbuns originais de Mafalda. Falei a respeito em texto de 12 de outubro de 2006, Mafalda no feriado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *