Todos na Merda

Quero vê-los sorrir, quero vê-los dançar. Chega hoje às bancas do Rio – e até o final da semana em São Paulo – a edição de número 3 da revista M. Na capa e sentado no trono, ele, o deus da sensualidade cigana brasileira, o dono da pélvis mais requebrante desde Elvis, o imortal e inigualável Sidney Magal. 

O cantor aparece em entrevista à seção Experiência pós-M e conta sobre os períodos em que passou longe dos holofotes no mercado musical. Para quem ainda não conhece a revista, esta é a seção na qual alguém conta sua experiência após ter saído da merda. Não é todo mundo que assume já ter estado lá (quem nunca esteve?), muito menos no mundo das celebridades. A propósito, é este o tema da terceira edição: Celebridades.

Há muito mais gente na Merda: Marcelo Rubens Paiva, Léo Jaime, Rosana Hermann, Marcelo Madureira, Fernando Caruso, Nani, André Dahmer, Tico Santa Cruz… Até eu estou na Merda. Em quatro páginas, está a obra (no sentido popular nordestino do termo) A maior enganação do mundo, na qual percebe-se que “a vida até parece uma festa, em certas horas isso é que nos resta” e que administrar uma cidade pode ser apenas dar ao povo um rala-bucho. Mais que toda a filosofia e poesia contida nesse libelo, chamo a atenção para a assinatura, que em minha biografia estará no capítulo sobre meus dons proféticos.

No ensaio sensual, a Mulher Acerola, vivida por Douglas Silva, que ganhou funk com direito a vídeo bombando no YouTube. Outro destaque é o Teste do Vibracall, onde uma moça de família empresta suas partes íntimas para descobrir quais aparelhos celulares têm os melhores modos de vibração para satisfazer sexualmente as mulheres. O vídeo teve vida breve no YouTube, mas está disponível no DailyMotion. Aliás, pelo que pude ver, o teste não é bem onde disseram, mas pelo menos faz vibrar no lugar certo.

Como seus editores já assumiram, M… “é a única revista bimestral que sai uma vez ao ano, devido a uma impressionante prisão de ventre editorial”. Prometeram curá-la a partir deste número. Sugiro procurarem patrocínio do Actvia e do Lactopurga para ver se essa merda sai com mais regularidade.

Aos que não conseguirem nas bancas ou estiverem fora de Rio e São Paulo (vamos espalhar essa Merda pelo país todo, minha gente! Como pode não ter Merda em Brasília, na Bahia ou no Acre?), saibam que parte dessa suave fragrância pode ser alcançada pela web. No site M Online, além do blog sempre atualizado, a partir de amanhã (5 de outubro) tem um cheirinho da terceira edição.

E que a Merda saindo hoje não seja um presságio sobre as eleições nos Estados Unidos. Espero que os americanos escolham bem aquele que vai governar o Brasil nos próximos anos e lembrem que M é de merda.

Textos relacionados:

:: Com as mãos na Merda (19.02.2007)
:: Regininha na Merda (22.10.2007)

Esta entrada foi publicada em Imprensa, Jornalismo, Periódicos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Todos na Merda

  1. Renata Silveira disse:

    “A objeção à merda é de ordem metafísica” (M. Kundera)
    Abraços

  2. Meire disse:

    Eu adoro o Dahmer, ele me provoca risos homéricos ! Tomara que essa merda chegue a Natal.

  3. Wilson disse:

    Putz! Este número está uma merda! 🙂
    Quem não recebe Merda no seu ventilador ou na caixa do correio, que vá ao jornaleiro de sua banca preferida e pergunte:”Que merda é essa?”
    Se não obtiver resposta, chamem o jornaleiro de Geni e atirem merda nele!
    Exija! Grite! Pois, quando a gente grita, MERDAS ACONTECEM!!!
    Abração-ção-ção!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *