Para gostar de ler 3 – AMIGOS PARA SEMPRE

O que você espera de um amigo ideal, perfeito? Que ele esteja sempre à disposição a qualquer hora do dia ou da noite? Que esteja por perto? Que saiba ouvi-lo? Que diga exatamente aquilo que você precisa ouvir? Que tenha passado bons momentos com você e possa lembrar disso para fazê-lo sentir novamente boas emoções?

É difícil ter um amigo assim. Pelo menos um amigo humano. Mas um amigo livro é exatamente desse jeito. E você nem precisa ligar. Ele está bem ali na sua estante.

O que você está precisando ouvir pode estar em suas páginas. Ele – o livro – faz com que você se concentre, pense melhor e acabe encontrando as respostas que está buscando. É um tremendo amigo. Nunca é chato. Fica sempre quietinho, na dele. Só entra em ação quando solicitado.

Bom mesmo é quando você descobre que amigos desse tipo, diferente dos humanos, se pode ter aos montes. E eles acompanham sua história, sabem tudo de você, guardam seus segredos.

Desses amigos, os mais antigos que tenho são de duas coleções: uma de doze volumes do Sítio do Picapau Amarelo e outra de três com clássicos infanto-juvenis. Nossa amizade já vai em mais de trinta anos e eles continuam aqui comigo. Ensinaram-me a ler, me viram crescer, viram meus filhos nascer e certamente conhecerão meus netos.

Outros foram chegando em momentos especiais. Caíram em minhas mãos como se fosse mágica. Responderam as dúvidas que eu tinha naquele instante e se tornaram amigos para toda a vida. Nós nos olhamos com cumplicidade, com a certeza de que só nós conhecemos certo segredo. Não adianta louvá-los aos seus amigos de carne e osso. Esses podem pegá-los e não ver nada de especial. É porque são seus amigos. São especiais para você.

Há livros que li várias vezes e os quais lerei muitas outras. Vou aprendendo mais e mais a cada nova conversa. É como se fosse a primeira vez, mas há todo um conhecimento prévio que facilita a descoberta de coisas nunca percebidas em outras leituras. É o amigo que você conhece tão bem a ponto de entendê-lo como nenhuma outra pessoa faria. A compreensão flui sem qualquer esforço.

Quantos desses amigos você tem? Se acha que nenhum, mas há livros em sua casa, procure direito. Se realmente não tiver, saiba que eles podem ser conquistados a qualquer momento. Exponha-se em uma livraria ou um sebo e logo um deles irá encontrá-lo. Sim, são eles que nos escolhem.

Permita-se viver esse sentimento e você entenderá o significado da expressão “amigos para sempre”.

Escreva-me Logo abaixo em  COMMENTS Clique e cadastre seu e-mail
Esta entrada foi publicada em Literatura, Livros, Série - Para gostar de ler. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas a Para gostar de ler 3 – AMIGOS PARA SEMPRE

  1. Caro Sandro:
    Tenho visitado o seu blog.Ele já está nos favoritos. Parabéns.
    A ilustração do Cardon é absolutamente fantástica! Muito boa essa série de postagens a respeito dos livros. Continua firme por aí. Abraço.
    Henrique.

  2. wilson disse:

    O meu professor de literatura falava com entusiasmo: “O que é um livro? Um livro é o mundo todo nas mãos! É presente, passado, futuro.Cada livro nos leva às viagens fantásticas. Usos, costumes, lendas, tragédias, dramas, comédias. Tudo ao alcance da mão…”
    Ouví e concordei. E como sempre desejei o mundo, eu o tenho, inteirinho, nas minhas estantes. Um pouco aqui e um “muito” na casa de minha mãe.
    O hábito de ler provoca coisas surpreendentes. Os olhos lêem e a mente trabalha. Como que transportado para as páginas do livro, vejo o cenário, sou capaz de sentir odores e aromas;matizes e texturas; visualizar e tocar o mobiliário; olhar cara-a-cara os personagens e, como observador, fazer parte do enredo.
    Transito pelos séculos; vou à Lua, ao centro da terra e aos becos sórdidos de Londres ou Paris; entro em palácios, cassinos; circulo por cais de portos, freqüento bordéis. Vou às guerras e às prisões.
    Leio, releio. Clássicos, Modernos ou folhetins melosos. Cavalão véio, volto às vezes para “O Sítio do Picapau Amarelo” ou “Ali Babá”. Fazer o que? Eu gosto.
    E continuo adorando intrometer-me na vida do pessoal de “O Morro Dos Ventos Uivantes”. Por que? Talvez eu tenha um gostinho pelo pelo dramalhão… Talvez, não. Eu tenho.
    Entre Odisséia e Eneida fico com a Eneida. É mais aventura, mais ação…
    Livros. Ah! Os livros. As estantes… Livros em estantes… Não existe coisa melhor.
    Abração,

  3. joão antonio disse:

    Sandro.
    Esta ilustração do frances Cardon é fantástica, não sobra um espaço da sala do cara. Que ilustração meu, ela nos impressiona, como se eu tivesse entrando de fato numa sala daquelas.
    impressionante o desenho
    PS mas ele cedeu especialmente pro seu blog?
    ab

  4. Sandro Fortunato disse:

    Fantástica mesmo! Quando bati o olho nela, há alguns meses, fiquei impressionado. Sim, Cardon muito gentilmente permitiu que eu a utilizasse aqui no blog. Segundo ele informou, foi feita “para o aniversário da editora Ática na bienal do Livro, não foi publicada”.

    E é só clicar nela que você vai para o site dele. Há mais ilustrações maravilhosas por lá. 🙂

  5. Bugatti disse:

    Esse carinho que a gente sente pelos livros é uma das coisas mais inexplicáveis com que eu já me deparei, alguns amigos não entendem o meu desespero quando sem querer algum dos meus livros caem no chão, ou então quando alguém me devolve o livro que foi emprestado inteirinho, volta com páginas soltas. Apesar disso ser apenas a estética do livro da um puta aperto no coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *