Em qual luto começará a luta?

Morreu hoje, dia 28 de março, no Rio de Janeiro, o estudante Edson Luís de Lima Souto, de 18 anos.

Nascido em Belém, no Pará, Edson mudou-se para o Rio em busca de melhores oportunidades, mas encontrou apenas o fim de uma breve história. Sua agonia começou no restaurante Calabouço, desses populares, que servem uma refeição a preço simbólico.

O jovem começou a sentir forte dor no peito enquanto almoçava. Saiu em busca de ajuda e conseguiu chegar, trôpego, a poucos metros do prédio da Legião Brasileira de Assistência. Parou. Inspirou profundamente o ar pesado. Sentiu o gosto de chumbo e caiu ali mesmo.

Colegas o levaram ao hospital mais próximo. Dezenas de pessoas pelos corredores, gente abandonada em macas por todos os cantos, cenário de guerra. Correram para um segundo. Igual. Procuraram outro. Um que estudava com ele grita: “O tio de um vizinho meu é médico aqui”. Nem conseguiram entrar, mas acharam o doutor em meio ao inferno de gente gemendo, implorando por atenção e remédio. O homem de branco foi até a rua e segurou o pulso de Edson somente para avisar: Está morto.

Revolta! Por que? Tão novo! Poderia ter sido qualquer um. Qualquer daqueles jovens. O filho de qualquer mãe, de qualquer pai. Por que?

Na calçada fria, em folha de caderno, o legista atesta o óbvio antes de encaminhar o corpo à morgue: dengue hemorrágica.

Mais revolta. Quantos outros cadáveres precisaremos para começar a luta? Edson morreu pela incompetência do governo. Total descaso pela vida humana. Morreu de forma miserável.

Já são 68 mortos e ainda não terminou. Quantos mais? Cem mil? Conseguiremos cem mil em uma passeata na próxima semana? Povo unido e organizado, intimidando seus governantes, mostrando a eles seu lugar, suas obrigações.

Edson Luís morreu de graça. Melhor que tivesse morrido lutando por seus direitos, pela liberdade, por qualquer coisa em que acreditasse. Como se fazia há 40 anos. Não como hoje, quando assistimos as mortes pela tevê e no final ganhamos um “Boa Noite”.

É hora de acordar.

Esta entrada foi publicada em Ficção, Memória. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

7 respostas a Em qual luto começará a luta?

  1. wilson disse:

    Putz, Sandro! Você só vê o lado negativo das coisas!
    Fazer esse estardalhaço por um “dengoso” que morreu há 40 anos somente!

    Como memorialista você poderia ajudar o Brasil, pesquisando casos mais antigos, para fazer dessas pessoas ícones do “revival” que o PAÍS está realizando. E não só com relação à Dengue – não a comum. Mas a “chic”, a hemorrágica.

    O País anda trabalhando muito nesse “revival”!

    Veja o que já está em cartaz:

    “A Tuberculose está vindo com tudo!”
    “Novíssimos casos de Lepra!” (imperdível).
    “Aids, esquecida pelos mais velhos é redescoberta pelos adolescentes!”
    “Varíola e Malária – os hits da estação!”

    Isso é só o começo! O Brasil vai oferecer muito mais entretenimento à sua “saudável” população…

    “Ridens castigat mores…”

    Abração, tipo VACINA JÁ! 🙂

  2. Izilda ( Zi ) disse:

    Sandro,

    O primeiro comentário era a sério?
    Se era, as coisas andam muito piores do que eu poderia imaginar…
    Estou pasma.

    Beijos
    Zi

  3. Sandro Fortunato disse:

    Oi, ZI! Você está falando do comentário do WILSON? Totalmente sarcástico. 😉 mas se for em relação às doenças: totalmente sério. 🙁

  4. Alcione disse:

    Vc tem toda razão! Todos os dias vemos cenas como essa na TV e ninguém fica indignado, a não ser a família e os amigos da vítima. As pessoas parecem ter entrado num estado de letargia, parecem hipnotizados, sei lá.
    E “o Rio de Janeiro continua lindo!”

  5. Jandiro Adriano Koch disse:

    Está certo, eu quis me fazer de lunático e fútil em alguns comentários deixados no blog, mas nem sempre isso é possível.
    Muitas vezes prefiro não entrar em discussões muito acirradas sobre política, pois sempre acabo perdendo amizades importantes que azedam suas relações comigo por entenderem que não passo de alguém que não sabe viver de acordo com o que acredita e tal…
    Sou totalmente norte-americano, por exemplo. Viva os Estados Unidos da América hoje e sempre (e tenho meus muitos motivos)!!! Sou totalmente Rede Globo, plim-plim (ou é plin-plin???)!!! E, acreditem, tenho razões para isso. Claro que tenho noção de que o mundo é mesmo “Duas Caras” e, portanto, tudo tem várias facetas. Colocando na balança, no entanto, volto a exaltar os EUA e a Rede Globo. Poderia dar muitos outros exemplos, mas temo pela minha integridade física.
    Quanto à dengue, não consigo ver essa tentativa absurda de transformar toda e qualquer tragédia em arma política sem ficar pt. da vida. Enquanto os mosquitos procriam e proliferam como lhes ordenou “Deus Todo-Poderoso”, os homens perdem tempo e se matam em discussões políticas com objetivo claramente voltado para as campanhas eleitorias municipais de 2008.
    “Se morrer mais um, melhor para o nosso partido”. Ora, q se f.
    Incompetência do governo. Incompetência nossa. O único que não tem culpa é, com certeza, o coitado do mosquito.
    Quanto mais o povo se bestifica, menos ele sente culpa pelas atrocidades que tem consciência de cometer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *