A cabeça de cada um

 

Deu na Folha Online: Homem se identifica como policial e aponta arma para atores do Festival de Curitiba. Até aí, tudo bem. A notícia foi veiculada no domingo, 23 de março. Um cara não gostou da chamada que dois atores faziam para sua peça nas ruas de Curitiba, disse que lá ninguém fala palavrão (lá onde, cara pálida?), se emputeceu (se você estiver em Curitiba, leia “enfezou-se”) e…

“…apontou uma arma para a cabeça dos atores Paulo Américo e Thiago Barros

Nesses meus quase 36 anos de vida, pensei já ter visto de tudo, incluindo irmãos siameses com duas cabeças, mas uma criatura com dois corpos e uma só cabeça é novidade para mim! “Arma apontada para a cabeça dos atores”, está escrito e enfatizado dois parágrafos depois pelo “enviado especial da Folha Online a Curitiba”.

Sempre colocando minha ignorância a frente de tudo, perguntei aos meus amigos Marcelo Andrade e Renata Silveira – jornalistas, fotógrafos, que moram há alguns anos em Portugal – se na Europa têm dessas coisas. Minutos depois, a cena descrita na Folha Online chegava ilustrada por Arthur Silveira, filho de Renata.

Fui obrigado a mudar o foco do texto, que seria baixar o pau na imbecilidade de alguém com nível superior, que trabalha na Folha e nos brinda com a demência, digo, existência de dois atores que dividem uma cabeça, para falar sobre o talento desse puto de 13 anos. Putos, em Portugal, são os “quase adolescentes” que, segundo Mário Prata, “devem ser chamados assim porque todo adolescente está sempre puto com alguma coisa”.

Pois o puto (no sentido brasileiro) assim se apresenta: Arthur Silveira, potiguar da gema, portuense de coração. Gêmeos, canhoto, 13 anos, desenha desde os seis, quando decidiu que ia ser cartoonista em vez de paleontólogo. Desenha ao som dos Doors, Rage Against the Machine e Massive Attack, o que causa confusão para os seus colegas que ainda ouvem Tokyo hotel. Lamenta-se por ter “perdido os anos 60”. É fã do Laerte, Angeli, Ziraldo, Dave Mckean e Moebius. Em nota castradora, a mãe diz que ele ainda não tem idade para ler Guido Crepax. A correção desse erro está sendo providenciada pelo Tio Sandro, que já começou a digitalizar tudo que tem do Crepax.

Em 2004, quando o boy tinha apenas 10 anos, eu já recomendava ficarem de olho nele. Quem me conhece, sabe que elogio é coisa rara e devidamente merecida quando parte de mim. Comigo não tem essa de “todos os meus amigos são geniais”, “os filhos de meus amigos são maravilhosos”… Não. Arthur é bom porque é bom e vai ficar ótimo. Principalmente – permita-me um conselho, caro puto – se lembrar sempre de manter-se humilde. Só assim se pode melhorar. Veja o exemplo do Baptistão (que não conheço pessoalmente e com quem nunca troquei um mísero e-mail). Para mim, ele é o grande caricaturista brasileiro da atualidade e não é à toa que seu trabalho é reconhecido internacionalmente. Ele só pode ser um cara humilde pois continua melhorando. Toda vez que vejo um trabalho seu, me pergunto: “Mas será que esse cara não acorda um dia com uma irrefreável vontade de fazer um desenho ruim?”.

Humildade, oh, pá! E muita ralação, que é uma amante mais fiel que a inspiração. Resumindo: não perca a cabeça ou vai precisar dividir uma com outro desenhista.

Mais artes de Arthur Silveira em www.arthursilveira.blogger.com.br
Esta entrada foi publicada em Desenho, Imprensa, Jornalismo, Quadrinhos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

4 respostas a A cabeça de cada um

  1. Que menino sabido este Arthur, hein? O que me encanta não é apenas sua destreza e naturalidade gráfica, mas, principalmente, sua maneira de escrever. Uma beleza!
    Me deu saudades de quando eu tinha treze aninhos… Pensei que não existissem mais garotos como ele! Há uma remota possibilidade de eu ir ao Porto em junho. Procurarei o cabrito!

    Obrigado por me apresentar.

  2. Mãe-coruja disse:

    O Arthur, para além de ser índigo, é fruto de uma experiência bem sucedida: amor em doses especiais e essenciais, muita leitura desde bebê, informação e sobre tudo, diálogo.

    Quando vejo crianças insuportáveis, irresponsáveis e com baixa auto-estima, não deixo de pensar que “A CULPA É DA MÃE”.

    Aos que tem filhos, cuidem dos seus… Toda criança tem um potencial enorme… São os adultos medíocres que estragam com a maioria delas.

    O Tuca vai longe por que sabe que terá sempre que caminhar…
    Bjos

  3. Renata Silveira disse:

    PS: uma frase do Arthur… “inspiração não é uma torneira que liga e desliga… É mais como um ônibus circular, só vem uma vez ou outra”.

  4. Gilka Peixoto Cunha disse:

    Arthur

    Fiquei muito orgulhosa de você, mas nada do que li sobre você me surpreendeu.
    Você é a “criança” mais linda e inteligente que conheço.
    Te amo muito.
    Beijos
    Tia Gilka

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *